Braquiterapia de alta taxa de dose no câncer de próstata

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

Braquiterapia tem sua origem no termo grego “brakhus”, que significa perto. Ela tem sido utilizada no tratamento médico desde a descoberta da radioatividade. E, a segurança na aplicação e a tecnologia de entrega de dose têm aumentado suas indicações.

A braquiterapia de alta taxa dose no câncer da próstata é uma técnica de radioterapia na qual são inseridas fontes radioativas na próstata e ao seu redor, com intuito de matar ou esterilizar as células cancerosas. Possui uma taxa de sucesso de até 90%, dependendo do caso, e sua indicação varia conforme as características da doença, as comorbidades (condição da pessoa portadora de uma doença que passa a possuir outra(s) doenças); do paciente, e os fatores de risco associados.

Pode ser utilizada como tratamento único ou em associação à radioterapia externa. Existem diversos tipos de esquemas de tratamento, que variam desde uma a duas aplicações por dia, em dose única ou até um número maior de aplicações.

Na braquiterapia de alta taxa, o médico radio-oncologista insere os aplicadores ou cateteres na próstata do paciente. Depois de posicionados os aplicadores, são carregadas as fontes radioativas através de um robô, que controla precisamente o tempo da fonte em cada posição dentro da próstata. O procedimento é feito com anestesia (em geral raquianestesia ou peridural) e o paciente não sente dor durante o posicionamento dos cateteres ou a aplicação do tratamento.

Após o término do mesmo, os cateteres são retirados do paciente, e após o procedimento, não há mais radiação.  As fontes radioativas tipicamente utilizadas são as de Irídio (Ir 192) e o tempo de tratamento é, em geral, bem mais curto que a radioterapia externa. Dependendo da dose a ser administrada, a aplicação pode durar apenas alguns minutos.

A maioria dos pacientes não precisa ficar internada no hospital, voltando para casa logo após a recuperação anestésica. Se for indicada mais de uma aplicação, o paciente será admitido no hospital, estando sempre devidamente medicado para possíveis desconfortos.

Em estudos recentes, a braquiterapia com alta taxa de dose para tumores de próstata mostrou-se bem tolerável pelos pacientes, com redução significativa de queixas urinárias, intestinais e, também em relação à função sexual se comparada a cirurgia e ao histórico da técnica.

Outro estudo, o ASCEND-RT, publicado neste ano de 2017, comparou a qualidade de vida em pacientes com câncer de próstata que receberam as duas técnicas de radioterapia: Radioterapia externa e, neste caso, a braquiterapia com baixa taxa de dose. Os pacientes dos dois grupos responderam a questionários sobre qualidade de vida após o tratamento. Foram avaliados aspectos como dor, bem-estar geral, vida social, saúde emocional e física, sintomas intestinais e urinários e função sexual. Esses pacientes foram acompanhados, em média  até 6 anos após o tratamento. Houve melhora significativa da eficácia quando comparada a Radioterapia isolada com um excelente perfil de toxicidade.

Portanto, além de ter uma elevada taxa de cura, a braquiterapia proporciona uma melhor qualidade de vida geral. Os riscos de incontinência urinária e disfunção erétil, por exemplo, que são relativamente comuns após a cirurgia, são menores após o tratamento com braquiterapia. O risco de sequelas graves é baixo e, em geral, reversível.

Por fim, a braquiterapia mostrou ser uma alternativa segura para pacientes com tumores de próstata iniciais e pouco agressivos, quando a doença se encontra apenas na glândula, e deve ser oferecida como opção ao paciente, caso ele seja elegível para a técnica. Nos pacientes de doença de risco intermediário e alto, a braquiterapia tem se mostrado uma forte aliada no aumento das chances de cura do câncer de próstata e uma aliada importante do arsenal terapêutico.

Artigo escrito por Bruna Bonaccorsi, Radio-oncologista

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”

Radioterapia em Cicatriz Queloide

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

O que é o queloide ?

Queloide é uma desordem da cicatrização, na qual a proliferação de fibroblastos e a síntese de colágeno estão aumentadas e formam lesões fibroelásticas, salientes, rosadas, avermelhadas ou escuras e às vezes brilhantes, podendo causar dor, prurido (coceira) e desconforto estético.

A cicatriz queloide pode ocorrer em qualquer lesão da pele, como em queimaduras, furos de piercing, brincos, cortes, cicatriz de cirurgias, marcas de catapora e outros. Apesar de acometerem qualquer pessoa são mais comuns nas de pele negras e asiáticas e parece existir um componente genético e hereditário na propensão ao desenvolvimento do queloide.

Existe Tratamento para queloide ?

Existem diversos tratamentos para o queloide como a remoção cirúrgica, radioterapia, crioterapia, gel de silicone, injeção intralesional de agentes diversos ou injeção de corticoides e laserterapia.

A radioterapia é um tratamento com excelente resposta e chega a evitar o aparecimento de novo queloide ou minimizá-lo em aproximadamente 90% dos casos.

Como é feito a radioterapia ?

Primeiramente deve ser realizada a cirurgia. A maioria dos trabalhos recomenda o início da Radioterapia nos primeiros dias após a cirurgia. A eficácia parece diminuir quando o início do tratamento ocorre mais de 2 dias após a exérese cirúrgica.

Existem várias formas de realizar a radioterapia. Usualmente emprega-se terapias superficiais ou seja a dose da radiação tem pouca penetração no tecido, não atingindo órgãos profundos. As formas mais comuns são a Betaterapia, a ortovoltagem, radioterapia com elétrons e braquiterapia.

Para realizar a braquiterapia um medico em conjunto com o fisico fará o planejamento do tratamento em um sistema computadorizado e posteriormente é colocado um cateter em cima da cicatriz, que será conectado a um robô que contem o material radioativo (Ir -192), esse material, sob o comando dos computadores se desloca para o dentro do cateter e ficará irradiando a cicatriz por alguns minutos (1 a 30 minutos), variando com a atividade da fonte e o tamanho da cicatriz.

Existe efeitos colaterais ?

Usualmente os efeitos colaterais são menores, entretanto podem ocorrer efeitos imprevistos. O grau de satisfação das pacientes geralmente é bom, mas a expectativa individual tem grande peso no resultado.

Os efeitos mais comuns são :

  • Hipercromia (cicatriz ficar mais escura que a pele normal ).
  • Hipocromia (cicatriz ficar mais clara que a pele normal).
  • Deiscência da sutura ( Os pontos da cicatriz podem abrir ).
  • Infecções na cicatriz

Uma preocupação freqüente em toda irradiação de patologia benigna é a possibilidade remota de indução de tumores malignos (câncer) a longo prazo. É sabido que radiação ionizante é um dos principais entes causadores de câncer conhecidos. O risco absoluto é baixo mas o aumento do risco relativo deve ser discutido com o médico e pesado na decisão de realizar a Radioterapia ou não. A decisão é sempre do paciente.

Para o sucesso do tratamento é sugerido que os pacientes discutam amplamente com o cirurgião plástico sobre as possibilidades terapêuticas, caso uma das opções seja a radioterapia, agende uma consulta com antecedência com o médico radioterapeuta, para discutir a indicação e programar o tratamento o mais breve possível após a cirurgia.

 Artigo escrito por Mauro Murta de Andrade Filho, médico da Radiocare.

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”

Cuidados com a pele durante a radioterapia

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

A radiodermite é definida como uma lesão de pele e dos seus anexos provocada pelos raios X ou por outras radiações ionizantes. É popularmente conhecida como a “queimadura de pele” causada pela radioterapia.  Diferente do senso comum, a radiodermite não pode ser prevenida pelo uso de cremes, mas suas consequências podem ser atenuadas por medicamentos tópicos e outros cuidados.

O dano à pele é a consequência final de uma cascata de eventos que se inicia com a interação da radiação com a água dentro das células do organismo e a produção de radicais livres. Esses radicais livres interagem com o DNA das células, interrompendo sua renovação e produzindo inflamação local. A intensidade da radiodermite pode ser pouco perceptível ou chegar até ao limite de uma queimadura complexa. Atualmente, são classificadas em graus, de acordo com a severidade da lesão. São eles:

  • Grau I: avermelhamento leve ou descamação seca da pele, que podem ser associados a prurido (coceira) e quedas de pelos ou cabelos.
  • Grau II: avermelhamento moderado e edema intenso, que podem ocasionar uma descamação úmida limitada às dobras da pele. Essa descamação pode estar associada à dor local.
  • Grau III: descamação úmida extensa em outras localizações e inchaço no local, inclusive com formação de bolhas.
  • Grau IV: necrose cutânea ou ulceração de toda espessura da derme, podendo estar associadas a sangramento, dor e infecções secundárias.

Não se conhecem todos os fatores de sensibilidade ou resistência natural que diferenciam pessoas que recebem certa dose de radiação, mas é sabido que cada um pode reagir de maneira diversa. Com o avanço tecnológico da radioterapia, essas reações diminuíram bastante. A energia utilizada nos aparelhos atuais minimiza a dose na pele. Entretanto, outros fatores, tais como a anatomia da paciente e dados clínicos da doença podem influenciar no planejamento, na forma de realizar a radioterapia e, consequentemente, na intensidade dos sintomas apresentados.

Existe um grande número de compostos que visa a proteção à radiodermite, como aloevera, andiroba, camomila, calêndula, trolamina, entre outros. Até hoje, somente os estudos com cremes à base de corticoides, medicamentos administrados na forma de cremes e pomadas, demonstraram eficácia na prevenção da mesma. Infelizmente, os corticosteroides não são isentos de efeitos indesejáveis e, por isso, devem ser utilizados somente quando necessário e indicado por um médico.

Algumas recomendações gerais podem ser válidas nesse cenário:

  • Hidratação oral,
  • Limpeza da região irradiada com água em temperatura ambiente e sabonete neutro,
  • Não aparar pelos com lâminas,
  • Evitar roupas sintéticas,
  • Priorizar roupas de algodão,
  • Reduzir contato com vapores e não aplicar pomada, loção, creme ou perfume sem recomendação médica.

Por fim, converse com seu médico. A avaliação dele é essencial para um diagnóstico correto, classificação e posterior tratamento.

 Artigo escrito por Ana Paula de Freitas P. Fonseca, Radio-oncologista da Radiocare

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”

Braquiterapia Ginecológica aliada na busca pela cura dos tumores ginecológicos

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

A braquiterapia consiste na aplicação de fontes radioativas bem próximas ao local do corpo que receberá a radiação. Dessa maneira, consegue-se despejar uma alta dose de radiação no volume a ser tratado, minimizando-a em tecidos sadios adjacentes. No caso de tumores ginecológicos, como os de colo uterino ou endométrio (camada interna do útero), é introduzida uma sonda (ou um cilindro) através da vagina e um aparelho direciona uma fonte radioativa, através da sonda, para irradiação do colo uterino e vagina. Essa fonte ficará dentro da sonda (ou cilindro) entre 15 a 30 minutos e em seguida será retirada.

Geralmente, é um procedimento que não requer anestesia e é realizado em quatro aplicações, normalmente, duas vezes na semana. Durante a sessão, a paciente não apresentará sintoma algum e, logo após o término do procedimento, a mesma poderá ir para casa. Algumas horas ou dias após a braquiterapia, poderão ocorrer algumas reações agudas.

Entre essas reações, estão:

  • Ardor ao urinar,
  • Aumento na frequência da micção (necessidade de urinar várias vezes em pouca quantidade),
  • Aumento na frequência das evacuações e eliminação de muco nas fezes.

Importante: durante o tratamento, não há contraindicação em manter relações sexuais; porém, devido aos efeitos colaterais agudos, pode haver desconforto ou ardor vaginal.

Alguns meses ou anos após o término da braquiterapia, as paredes vaginais podem sofrer fibrose ou endurecimento, com perda da elasticidade e, assim, a vagina pode se tornar estreita. O médico ou a enfermeira especializada possuem orientações específicas sobre exercícios de dilatação vaginal. Esses exercícios são realizados com a ajuda de um dilatador, que é introduzido na cavidade vaginal e tem como objetivo evitar a estenose ou estreitamento da vagina.

Assim, a paciente terá alguns benefícios como: mais facilidade em ser submetida a exames ginecológicos, com coleta de células do colo uterino ou fundo vaginal (exame de Papanicolau); maior conforto durante relações sexuais e menor probabilidade de apresentar dor vaginal durante a penetração. Relações sexuais também ajudam a evitar o estreitamento vaginal e, ato contínuo, esses benefícios resultam em melhores seguimento oncológico e qualidade de vida.

Outros efeitos que podem ocorrer após o tratamento é a infertilidade e menopausa. Se houver necessidade de radioterapia externa na pelve, os ovários receberão uma dose de radiação capaz de provocar infertilidade e menopausa precoce. As doses de braquiterapia isolada podem não ser suficientes para causar falência ovariana; porém, quando somadas à radioterapia externa, contribuem para a infertilidade.

É extremamente importante que a paciente, e/ou o casal, se informe antes do tratamento sobre os efeitos colaterais comuns e esperados e também dos incomuns que, apesar de improváveis, podem ocorrer. Algumas medidas simples podem evitar grande sofrimento. O maior inimigo nessa hora é o constrangimento e a vergonha. Como usual, o médico é a fonte mais importante de informação e o maior aliado das pacientes.

*Texto pode ser reproduzido com citação das fontes.

 Artigo escrito por Leonardo Chamon, Radio-oncologista da Radiocare

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”

A importância do núcleo de segurança e da normatização de condutas na Medicina

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

O conceito de segurança do paciente vem desde os primórdios da Medicina. Primum non nocere ou primum nil nocere é um termo latino da bioética que significa “primeiro, não prejudicar” e faz parte de um princípio de Hipócrates (460-377 a.C), o pai da Medicina.

A Radiocare, Clínica de Radioterapia, conta com dois mecanismos principais envolvidos no controle e avaliação de segurança relacionada ao paciente. São eles o NSP e o Protocolo de Conduta. O objetivo é assegurar o melhor tratamento, com a melhor qualidade técnica possível.

O NSP – Núcleo de segurança do paciente, como diz o próprio nome, promove e apoia ações voltadas à segurança do paciente. Trata-se de um fórum de discussão multidisciplinar, que articula e coordena programas e atividades de gestão de riscos para prevenção de incidentes ou efeitos adversos. Os membros desse núcleo representam diferentes setores do Centro, sendo a equipe composta por médico radio-oncologista, físico médico, enfermeira, dosimetrista, biomédico, tecnólogo, técnico em radiologia, auxiliar administrativo e gerente geral.

O núcleo promove uma cultura voltada para a segurança dos pacientes, por meio do planejamento, desenvolvimento, controle e avaliação de processos assistenciais.

Entre as atribuições do Núcleo de Segurança estão:

I – Estabelecer, avaliar e monitorar barreiras para a prevenção de incidentes;

II – Analisar e avaliar as notificações sobre incidentes;

III – Desenvolver ações para a integração e a articulação multiprofissional no âmbito da instituição

IV – Identificar e avaliar a existência de não conformidades nos procedimentos realizados e na utilização de equipamentos,

V – Promover e acompanhar ações de melhoria de qualidade, alinhadas com a segurança do paciente, especialmente aquelas relacionadas aos processos de cuidado e uso de tecnologias da saúde;

No sentido de normatizar as condutas de tratamento, a Radiocare dispõe de um Protocolo de Condutas em Radioterapia. Nesse manual, periodicamente revisto e atualizado, estão detalhadamente especificadas orientações sobre o tratamento para cada situação clínica.

Em alguns casos, impõe-se uma avaliação e individualização mais cuidadosa. Nessa situação, alguns casos são levados para avaliação na reunião clínica. Trata-se de um encontro semanal e obrigatório para toda a equipe médica da Radiocare. Nessa oportunidade é apresentada a história clínica, o exame físico, o resultado dos exames e as expectativas do paciente em relação ao tratamento. Após ampla discussão, as conclusões são registradas no livro de reuniões clínicas e levadas ao conhecimento do paciente.

No ano de 2016 quase 10% dos diagnósticos foram discutidos em reunião clínica. Essa ação certamente contribuiu para os melhores resultados do Centro, principalmente tendo em vista que maioria desses casos teve decisões extremamente complexas e nem sempre óbvias.

A opinião de uma equipe grande e experiente como a da Radiocare adiciona um grande diferencial para os pacientes, que podem contar, em apenas uma consulta, com a opinião de diversos profissionais, com diferentes experiências. Aliar humanismo e excelência técnica é um dos objetivos primordiais da assistência médica e deve ser o horizonte no qual devemos olhar.

Artigo escrito por Miguel Torres Teixeira Leite, Radio-oncologista da Radiocare

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”

Imunoterapia: mais uma arma contra o câncer

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

Na difícil luta contra o câncer e em busca da cura, mais uma arma desponta no arsenal terapêutico, a imunoterapia. Novas drogas têm surgido e resultados animadores têm sido demonstrados em estudos realizados em diversas partes do mundo, em diferentes tipos de tumores.

A imunoterapia é uma forma de tratamento biológico em que medicações específicas estimulam o sistema imunológico do paciente, com o objetivo de combater e destruir as células tumorais. Essas substâncias modificam a resposta imune do organismo em relação às células cancerígenas.

Existem diversos tipos de imunoterápicos com variados mecanismos de ação, e, dentre os tipos mais importantes, estão os “inibidores de checkpoints”.

Os linfócitos T são células de defesa importantes no combate ao crescimento de células tumorais. Essas células possuem pontos específicos, chamados de receptores. Eles funcionam como se ligassem ou desligassem nossas defesas relacionadas ao linfócitos T.  As células tumorais têm capacidade de produzir substâncias capazes de desligar esses receptores, fazendo com que o sistema imunológico não reconheça o tumor como uma ameaça ao organismo.

Os chamados “inibidores de checkpoints” inibem o possível “freio” aos linfócitos T, por último estimulando nossas defesas contra as células tumorais.  Dessa forma, existem na atualidade drogas específicas que atuam nesses receptores, permitindo que o sistema imunológico reconheça as células tumorais como uma grande ameaça.

Apesar de não ser uma idéia nova, os avanços na imunoterapia contra o câncer ocorreram a partir dos anos de 1980, quando pesquisadores identificaram a existência de receptores celulares capazes de estimular ou inibir o sistema imunológico de defesa. Outro aspecto positivo da imunoterapia é que os medicamentos possuem um perfil de toxicidade favorável, com efeitos colaterais habitualmente manejáveis na maioria dos casos.

Os primeiros resultados dessa nova abordagem terapêutica foram demonstrados em um tipo de tumor de pele após espalhar-se pelo corpo, o melanoma cutâneo metastático – tipo de câncer de pele grave. A seguir vieram estudos em outros tumores, como de pulmão, rim, cabeça e pescoço, entre outros.

Embora os resultados terapêuticos da imunoterapia sejam positivos e promissores, infelizmente, em determinados tipos de câncer, ela é altamente eficaz em alguns pacientes e não apresenta nenhum resultado em outros. Um dos grandes desafios é encontrar biomarcadores para seleção de quais pacientes se beneficiarão com a estratégia.

Artigo escrito por Alexandre Fonseca, Oncologista clínico da ONCOMED-BH e Hospital Felício Rocho

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”

Minas Gerais avança no transpalante de medula óssea em crianças

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

Minas Gerais começa a contar com o tratamento de radioterapia de corpo total, conhecido como TBI (Total Body Irradiation). Realizado pela Radiocare – Centro Avançado de Radioterapia do Hospital Felício Rocho, o procedimento beneficia e aumenta as chances  de sucesso dos pacientes com diversas neoplasias, como leucemias e linfomas,  entre outras doenças. Além disso, o avanço permitirá que o estado comece a realizar o transplante de medula óssea em crianças com melhores resultados. “Para implantação desse novo tratamento, fizemos uma extensa pesquisa dos protocolos realizados no Brasil e no mundo e visitamos os serviços com maior número de casos realizado”, explica Leonardo Pimentel, radio-oncologista e coordenador da Radiocare.

Ao longo de vários meses, a Radiocare desenvolveu todas as etapas do programa de TBI e treinou profissionais para realizar o procedimento. A busca da perfeição na realização da técnica incluiu até mesmo o uso de um simulador do corpo humano. “Realizamos o tratamento várias vezes em um fantoma antropomórfico com resultados muito precisos”, relata o médico. O fantoma antropomórfico é um manequim no tamanho real de uma pessoa, com todos os tecidos humanos simulando as densidades reais do corpo tais como ossos, músculos e pulmões e as doses foram coletadas em diversos pontos críticos tais como o crânio, tórax e abdome.

Os primeiros pacientes já estão sendo tratados na clínica, hoje uma dos maiores do país. O programa de TBI pode ser acionado por qualquer médico que tenha pacientes com indicação para técnica, após contato prévio com o Radiocare.

 SOBRE A RADIOCARE

Com dez anos de atuação, a Radiocare – Centro Avançado de Radioterapia atende pacientes de todo o país e realiza diversas  técnicas disponíveis em apenas poucos lugares na América Latina. É ainda pioneira em diversas delas. Localizada no Hospital Felício Rocho, em Belo Horizonte/MG, a clínica dispõe de equipamentos de alta tecnologia para tratamentos com elevado padrão de qualidade. Seu corpo clínico é formado pelos médicos Leonardo Pimentel, Marcus Simões, Miguel Torres, Arnoldo Mafra, Ana Paula Porto, José Eduardo, Leonardo Gontijo e Mauro Murta. A equipe é ainda composta por físicos, enfermeiras e técnicos. Por ano são atendidos mais de 2000 novos pacientes.

Artigo escrito por Hipertexto Comunicação Empresarial

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”

Como a radioterapia estereotáxica tem ajudado a combater o câncer

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

A radioterapia estereotáxica, também conhecida como Radiocirurgia, SBRT ou SABR (StereotacticBodyRadiotherapy ou StereotacticAblativeradiotherapy) é uma técnica de radioterapia externa que alia a precisão da localização dos aparelhos modernos com altas doses de radioterapia, necessárias para atingir alguns tipos de tumores.

Na SBRT é utilizado um sistema de coordenadas tridimensional para localizar volumes-alvo no interior do corpo e, assim, direcionar feixes de radiação focados precisamente no tumor.

Para a execução dessa técnica, são necessárias: imagens detalhadas de tomografia computadorizada e de ressonância magnética; planejamento computadorizado tridimensional, e posicionamento de tratamento adequado para administrar a dose de radiação com precisão extrema, minimizando a ação sobre tecidos sadios.

Existem dois tipos de radiação estereotáxica:

  1. Radiocirurgia estereotáxica: refere-se a uma única aplicação de radioterapia estereotáxica realizada com vários feixes de radiação, convergindo-se sobre um alvo preciso, geralmente uma lesão localizada no cérebro ou coluna vertebral. Apesar da denominação, não é realizada cirurgia ou incisão com bisturi.
  2. Radioterapia Estereotáxica: refere-se a mais de uma aplicação de radioterapia estereotáxica sobre um alvo preciso. Geralmente, são realizadas de 3 a 8 frações com doses de radioterapia mais elevadas que o usual.

Essas duas modalidades de radioterapia são mais adequadas para tumores relativamente pequenos. Os médicos usam exames de imagens para localizar exatamente a lesão a ser tratada. Um suporte ou aparato imobilizador pode ser personalizado para manter o corpo completamente imóvel durante o tratamento. No caso da radiocirurgia ou radioterapia estereotáxica cerebral, utiliza-se um halo de metal preso sobre a cabeça ou uma máscara termoplástica especial para imobilizar e localizar precisamente o alvo.

Quando o halo de metal é usado, o mesmo é fixado ao crânio por um neurocirurgião. Esse especialista injeta um anestésico local logo abaixo do couro cabeludo, para anestesiar a área, e insere pinos especiais superficialmente aos ossos cranianos. Esses parafusos irão fixar o halo ao crânio. Os pinos fixadores do crânio e o halo são removidos após o término do tratamento. Cada radiocirurgia, dura, em média, de 20 a 50 minutos.

Quando o halo não é utilizado, usa-se uma máscara facial especial, que, ao ser derretida, é colocada ao redor da cabeça e molda exatamente os contornos da mesma, mantendo-a fixa e em posição de tratamento.

Uma das vantagens da radioterapia estereotáxica é a capacidade de entregar a quantidade adequada de radiação sobre o tumor em um curto período de tempo (geralmente um a oito dias, ao contrário de várias semanas). Além disso, o tratamento é entregue com extrema precisão, minimizando os efeitos colaterais sobre tecidos sadios adjacentes ao tumor. Ao final do procedimento, na grande maioria das vezes, não há necessidade do paciente ficar internado e o mesmo retorna para casa com a mesma condição clínica que adentrou ao departamento de radioterapia antes de ser tratado.

Essa técnica é adequada para pequenos tumores bem definidos, que podem ser visualizados através de exames de imagem. Portanto, essa abordagem não é adequada para todas as situações. Além disso, a dosagem de radiação fornecida com segurança pode ser limitada se a lesão está localizada próxima a uma estrutura ou órgão sensível, tal como a medula espinhal, tronco cerebral ou intestino. Geralmente, o tratamento gera edema (inchaço) de tecidos sadios próximos ao tumor, podendo gerar efeitos colaterais variados, que dependem da localização do mesmo. Pacientes com tumores cerebrais, por exemplo, podem apresentar piora parcial dos sintomas neurológicos durante alguns dias após o procedimento, que tendem a melhorar espontaneamente ou com tratamento adequado.

CONDIÇÕES QUE PODEM SER TRATADAS COM RADIAÇÃO ESTEREOTÁXICA

A radiocirurgiaestereotáxica é utilizada para tratar condições que envolvem o cérebro ou coluna vertebral, incluindo:

  • Tumores que se iniciam no cérebro (gliomas e outros tumores primários do sistema nervoso central)
  • Tumores que se disseminaram para o cérebro (metástases cerebrais)
  • Tumores que se disseminaram para a coluna vertebral (metástases ósseas)
  • Tumores benignos decorrentes das membranas que recobrem o cérebro (meningiomas)
  • Tumores benignos do ouvido interno (neurinoma do acústico)
  • Vasos sanguíneos anormais no cérebro (malformações arteriovenosas).

Radioterapia Estereotáxica Corporal é usada para tratar pequenos tumores no tórax, abdômen ou pelve, que não podem ser removidos cirurgicamente ou tratados com radioterapia convencional, incluindo:

  • Câncer de pulmão em estádios iniciais
  • Cânceres que se iniciaram em outro órgão e migraram para o pulmão (metástases pulmonares)
  • Cânceres que se iniciaram em outro órgão e migraram para o fígado (metástases hepáticas)

Esses exemplos abrangem as condições mais comumente tratadas, mas não correspondem a todas as possibilidades de tratamento com essa técnica. Os pacientes com tumores pequenos e pouco numerosos são os melhores candidatos à radioterapia estereotáxica. Nem todos os pacientes podem se beneficiar desse tipo de tratamento. Somente o radio-oncologista pode dizer se essa abordagem é uma opção para sua condição específica.

Artigo escrito por Leonardo Antônio G. Chamon, radio-oncologista da Radiocare

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”