Braquiterapia de alta taxa de dose no câncer de próstata

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

Braquiterapia tem sua origem no termo grego “brakhus”, que significa perto. Ela tem sido utilizada no tratamento médico desde a descoberta da radioatividade. E, a segurança na aplicação e a tecnologia de entrega de dose têm aumentado suas indicações.

A braquiterapia de alta taxa dose no câncer da próstata é uma técnica de radioterapia na qual são inseridas fontes radioativas na próstata e ao seu redor, com intuito de matar ou esterilizar as células cancerosas. Possui uma taxa de sucesso de até 90%, dependendo do caso, e sua indicação varia conforme as características da doença, as comorbidades (condição da pessoa portadora de uma doença que passa a possuir outra(s) doenças); do paciente, e os fatores de risco associados.

Pode ser utilizada como tratamento único ou em associação à radioterapia externa. Existem diversos tipos de esquemas de tratamento, que variam desde uma a duas aplicações por dia, em dose única ou até um número maior de aplicações.

Na braquiterapia de alta taxa, o médico radio-oncologista insere os aplicadores ou cateteres na próstata do paciente. Depois de posicionados os aplicadores, são carregadas as fontes radioativas através de um robô, que controla precisamente o tempo da fonte em cada posição dentro da próstata. O procedimento é feito com anestesia (em geral raquianestesia ou peridural) e o paciente não sente dor durante o posicionamento dos cateteres ou a aplicação do tratamento.

Após o término do mesmo, os cateteres são retirados do paciente, e após o procedimento, não há mais radiação.  As fontes radioativas tipicamente utilizadas são as de Irídio (Ir 192) e o tempo de tratamento é, em geral, bem mais curto que a radioterapia externa. Dependendo da dose a ser administrada, a aplicação pode durar apenas alguns minutos.

A maioria dos pacientes não precisa ficar internada no hospital, voltando para casa logo após a recuperação anestésica. Se for indicada mais de uma aplicação, o paciente será admitido no hospital, estando sempre devidamente medicado para possíveis desconfortos.

Em estudos recentes, a braquiterapia com alta taxa de dose para tumores de próstata mostrou-se bem tolerável pelos pacientes, com redução significativa de queixas urinárias, intestinais e, também em relação à função sexual se comparada a cirurgia e ao histórico da técnica.

Outro estudo, o ASCEND-RT, publicado neste ano de 2017, comparou a qualidade de vida em pacientes com câncer de próstata que receberam as duas técnicas de radioterapia: Radioterapia externa e, neste caso, a braquiterapia com baixa taxa de dose. Os pacientes dos dois grupos responderam a questionários sobre qualidade de vida após o tratamento. Foram avaliados aspectos como dor, bem-estar geral, vida social, saúde emocional e física, sintomas intestinais e urinários e função sexual. Esses pacientes foram acompanhados, em média  até 6 anos após o tratamento. Houve melhora significativa da eficácia quando comparada a Radioterapia isolada com um excelente perfil de toxicidade.

Portanto, além de ter uma elevada taxa de cura, a braquiterapia proporciona uma melhor qualidade de vida geral. Os riscos de incontinência urinária e disfunção erétil, por exemplo, que são relativamente comuns após a cirurgia, são menores após o tratamento com braquiterapia. O risco de sequelas graves é baixo e, em geral, reversível.

Por fim, a braquiterapia mostrou ser uma alternativa segura para pacientes com tumores de próstata iniciais e pouco agressivos, quando a doença se encontra apenas na glândula, e deve ser oferecida como opção ao paciente, caso ele seja elegível para a técnica. Nos pacientes de doença de risco intermediário e alto, a braquiterapia tem se mostrado uma forte aliada no aumento das chances de cura do câncer de próstata e uma aliada importante do arsenal terapêutico.

Artigo escrito por Bruna Bonaccorsi, Radio-oncologista

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”